sexta-feira, 22 de julho de 2016











Não sou pra todos. Gosto muito do meu mundinho. Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes tem um céu azul, outras tempestade. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos. Mas não cabe muita gente.
Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso. São necessárias.
Caio Fernando Abreu

sábado, 2 de julho de 2016

O universo conspira, não atrapalhemos ele


Ha poucos meses conheci alguém que podemos chamar ser aquela pessoa "fofa' que está sempre disposta, a ver o lado bom das pessoas e investir nisso.

Sabe aquela pessoa que trata todos com atenção e carinho, que chama de flor, de meu amor? Que se preocupa em responder os emails ou msg de forma delicada mas sem ser influenciada: Isso mesmo. Pois ela pode parecer só brisa, mas pode ser ventania.

A diferença é o grau de discernimento e experiência para exercer sua função sem deixar ninguém pra baixo ou desistir. Mas nem por isso deixar de ser profissional.

Num mundo onde se semeia a desconfiança e o ódio, encontrar pessoas assim no fazem acreditar que todo bem que fazemos conscientes ou não, o universo nos devolve em dobro. Chamo de lei do retorno e merecimento.

Pessoa inteligente, sagaz, que de boba não tem absolutamente nada (rsrsrs) e entende cada palavra do que é dito e principalmente o significado escondido por trás de palavras bonitas e providenciais. Sabe usar a sua capacidade de analisar com justiça sem perder a diplomacia necessária para lidar com todas as questões. Alguém me disse que "Cancerianos ainda dominarão o mundo" \o/

O que prevejo: Sucesso e muita luz por onde passar. ( O que já é visível aos olhos de todos que deixam o ego de lado e passam a ver com o coração).

Caberá a nós sabermos usar com sabedoria e consciência todo aprendizado que cada um tem para dividir nesta relação que, está sendo construída a base da confiança, lealdade e sinceridade em todos os sentidos.
Um mimo de aniversário atrasado apra Sônia Díoclenes

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Para dias quietos por fora, mas barulhentos por dentro eu uso Caio Fernando de Abreu


"Não se preocupe, não vou tomar nenhuma medida drástica, a não ser continuar, tem coisa mais auto destrutiva do que insistir sem fé nenhuma? Ah, passa devagar a tua mão na minha cabeça, toca meu coração com teus dedos frios, eu tive tanto amor um dia."



"Às vezes a gente vai-se fechando dentro da própria cabeça, e tudo começa a parecer muito mais difícil do que realmente é. Eu acho que a gente não deve perder a curiosidade pelas coisas: há muitos lugares para serem vistos, muitas pessoas para serem conhecidas."



"Pertencia àquela espécie de gente que mergulha nas coisas às vezes sem saber por quê, não sei se na esperança de decifrá-las ou se apenas pelo prazer de mergulhar…"



"Uma pressa, uma urgência. E uma compulsão horrível de quebrar imediatamente qualquer relação bonita que mal comece a acontecer. Destruir antes que cresça."



"E era por isso que ela gostava daqueles (a)braços. Os apertados. Porque era ali. Era ali que ela encontrava tudo o que tinha de mais bonito."


terça-feira, 3 de março de 2015



Lembro que no ano de 2000 conheci uma mulher.

Muito senhora de si com sorriso e olhar encantador.

Porém mais que olhar e sorriso, ela tinha o dom da palavra a as usava de forma tão admirável que não tinha como não ceder. Sabia como mexer com as mãos, quase como num balé. Tudo no tom e tempo certo, no momento certo, na hora exata de encantar. Assim como sabia exatamente a hora de sair de cena. (que era o momento em que seu encanto estava no nível ultra mega master).

Sabe aquelas mulheres que te fazem tremer na base? Pois é, ela mesma.

Sempre achei que mulher não tem que ser propriamente bonita e sim uma mulher interessante. Tem que ser sedutora e inteligente para usar isso no ponto certo, sabendo exatamente o que está fazendo e ela sabia.

Começamos a sair. Cada semana mais, cada vez mais.
Um dia eu na janela da casa dela, olhei para ela que estava se arrumando e eu disse: “Estou apaixonada por vc”

Ela respondeu “Isso é um problema seu, não meu”

Em seguida num tom despreocupado falei: “Por enquanto meu bem, por enquanto”.
Pronto, aí estava a mulher que me fez tremer, tremendo junto comigo, na mesma sintonia.

No dia seguinte estava indo pra casa e propositalmente deixei meu creme corporal da Natura de erva doce, em cima da sua cômoda. Quando já estou no ponto de ônibus, ela vem correndo esbaforida me entregar o creme e disse “Por favor, não faz isso comigo...Leva seu creme... “

Bem, o final dessa história? Vivemos 5 anos casadas, 5 anos felizes para sempre.

Aprendi que meus medos eram insignificantes perto da nossa cumplicidade e do amor que existia, que preciso me arriscar. Aprendi que sou bonita, que sou tb sensual qd quero e que sei exatamente o que e como fazer para que as pessoas demonstrem um interesse 100%.

Aprendi que posso ter cara de mau, mas tb posso relaxar e viver mais leve.
Muito obrigada por ter me amado tanto e comemoremos por ter sido uma via de mão dupla para nós.

Num dia pela manhã cedinho, já casadas e morando juntas, ela saiu pra trabalhar e deixou um bilhete cuidadosamente embrulhado na folha de caderno junto dom uma paçoca - Amo paçoca!

O bilhete dizia “Que seu dia seja doce. Volto mais tarde com muito mais amor”
E sempre voltava com mimos, surpresas, algumas brigas, algumas discordâncias e amor.

Ela cumpriu a promessa sempre!  “Voltar pra casa com muito mais amor”
Depois de tanto tempo afirmo que tanto eu qt ela saímos disso tudo bem mais fortes e seguras para o que tivesse que vir, e assim foi e tem sido.


Não importa se é a mesma casa, se é outro par, o que importa é “voltar pra casa com muito mais amor”. Obrigada
“Sua : Sinhá”

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015


"Transfere de ti para mim essa dor de cabeça, esse desejo, essa violência
Que careça em ti o meu excesso

e que me falte o que tu tens de sobra

Que em mim perdure o que te morre cedo
e que te permaneça o que tenho perdido.
Que cresça, se desenvolva um teu sentido
que em mim desapareça.

Dá-me o que de possuir tu não te importas
E eu multiplico o que te falta e em mim existe
para que nosso encaixe forme uma unidade - indivisível -
que não se possa subtrair uma metade."


(Bruna Lombardi)

sábado, 31 de janeiro de 2015


Isso


Isso que não ouso dizer o nome
Isso que dói quando você some
Isso que brilha quando você chega
Isso que não sossega, que me desprega de mim
Isso tem de ser assim...
Isso que carrego pelas ruas
Isso que me faz contar as luas
Isso que ofusca o sol
Isso que é você e sou sem fim

(Chico César)


terça-feira, 27 de janeiro de 2015


(Do amor)


Ama-me. Ainda é tempo. Interroga-me.
E eu te direi que nosso tempo é agora.
Esplêndida de avidez, vasta ternura
Porque é mais vasto o sonho que elabora

Há tanto tempo sua própria tessitura.

Ama-me. Embora eu te pareça
Demasiado intensa. E de aspereza.
É transitória se tu me repensas.


Hilda Hilst